Seguidores

Arquivo

PAREDES CHEIAS - PARTE IV

Tags: + + +

No penúltimo post da série, quero te mostrar maneiras diferentes de encher a parede.


Varal simples com parafuso+arame+prendedor. Um pouco mais delicado com uma versão menor de prendedor e uma fita de cetim. Ou com aquelas peças específicas que já mostrei antes. No varal, fotos, tecidos, frases, cartões.


Com ganchos de pendurar pratos. Nos ganchinhos, livros com capas bonitas.(Foto enviada pela Cris Alhadeff)


Pranchetas. Nas pranchetas (revestidas com tecidos ou papéis diferentes), imagens, cartões.


E uma dica interessante para colocar em sua moldura já pronta, que muitas vezes perde o ganchinho, ou estraga, se você quiser mudar a posição dele, ou para transformar um porta retratos em moldura para pendurar: anel de latinha. Ninguém sabe, ninguém vê e é resistente.

Comentar

FAÇA VOCÊ MESMA - TEATRINHO DE BONECOS

Tags: +


Qualquer portal torna-se um teatro. E eu adoro, adoro!

INSTRUÇÕES:

1. Comece com um tecido que é pelo menos 4cm maior do que a largura do portal. Pode também ser um lençol, ou uma toalha.
2. Costure uma “bainha” superior, que é na verdade por onde vai passar a fita que prenderá o teatrinho nos dois lados do portal.
3. Veja a altura que você quer e corte uma abertura para o “palco”, de 45cm de largura x 40cm de altura.
4. Para fazer a moldura do “palco”, escolha um tecido contrastante. Costure.
5. Para um acessório extra (opcional), corte triângulos de tecido diferente, para fazer o detalhe superior da cortina do palco.
6. Para a cortina do palco, recorte dois retângulos de tecido, de 30x55cm. Faça a bainha e prenda no avesso da moldura. (Caso tenha cortado os triângulos, prenda na cortina, apenas por um lado do triângulo, antes de prendê-la ma moldura do palco.)
7. Costure (ou corte de uma fita bonita) 4 fitinhas de 20cm para fazer os laços da cortina do palco. Prenda 2 de cada lado.
8. Costure (ou corte de uma fita bonita e resistente) 1 fita para pendurar o teatrinho no portal. Esta fita deve ser pelo menos 20 cm maior que a largura do teatrinho pronto.

Pode pendurar o teatro, porque o espetáculo vai começar!

Fonte: Country Living

Comentar

PAREDES CHEIAS - PARTE III

Tags: + + +


Mas então você pode dizer que sua parede já é colorida, vai ficar feia, poluída. Bem, essa parede aí parece que roubou a cor do vestido da Keira Knightley. E eu amei. A parede. E o vestido.


Mas se você prefere azul.


Ou outra estampa de papel de parede, inspiração é que não falta.


E tem também quem diz que não tem estampas bacanas, posteres interessantes, que são caros ou whatever. Olha um mapa fazendo as vezes de estampa. E cartões. E tanta coisa! (Eu já emoldurei convite de exposição.)

Comentar

PAREDES CHEIAS - PARTE II

Tags: + + +


Então, quando eu comprei o caderninho, duas das primeiras fotos coladas a foram essas aí de cima. A mistura parede branca+tudoaomesmotempoagora me encanta desde os tempos em que freqüentava a casa do fotógrafo Dimas Guedes, em Ouro Preto. Numa das paredes da casa havia uma coleção de fotos de doidos.

Doidos ilustres, que freqüentavam aquelas ladeiras, mas todos doidos de pedra. Bené da Flauta, Sua majestade Sinhá Olímpia (que teve direito a filme), Futeco, O homem de lata, O moço da bicicleta (como é mesmo o nome desse?) e uns outros tantos.

Digressão. Hoje ligarei para Carol. Ela sim, uma enciclopédia em matéria de doidos de Ouro Preto, que se lembra do bordão de cada um. Porque doido de respeito tem bordão. Fecha parêntesis.

Mas como ia dizendo. Imagens e paredes. Ó mais:

Comentar

PAREDES CHEIAS - PARTE I

Tags: + + +


Quero e vou fazer uma parede assim na sala. Tem duas ou três fotos que guardo como referência, a da casa da mãe de uma amiga tinha umas cerâmicas presas na própria massa da parede.


Também não consigo parar de pensar naquela sala cor-de-rosa (mas acho que o que me hipnotiza é a luz).

Cris


***

Cris,

Eu adoro paredes cheias (como a berinjela do post ali abaixo). Acho que é charmoso, interessante e diz muito sobre quem mora ali. Quando é demais, em todas as paredes, como numas fotos que vi no AT, me incomoda. (Mas se tenho uma certeza nessa vida é que o dono da casa tá nem aí pro meu incômodo)


A parede branca que você gosta é da artista plástica Bebel Franco. Tem um pouco de unidade em torno de xilogravuras, mas é bastante misturada também, né? Parece com outra parede que vejo todo dia.

Eu vivo colecionando imagens de paredes cheias, e todas essas que aparecem neste post tem uma coisa em comum: as molduras não são idênticas entre si, as imagens não tem um padrão idêntico. E muitas vezes não são só imagens, objetos aparecem pendurados também. Qual é a única coisa que faz com que sejam um conjunto? O gosto do dono da casa. Adouro!

Comentar

CHIPANDELE? BEM, CHIPPENDALE.

Tags: + + + + +


Te desafio a procurar um móvel Chippendale (lê-se "chipendeiou") nos antiquários do Rio. Se (isto se) entenderem, vão te corrigir, para chipandéle. E como a voz do povo é a voz de Deus, eu tenho andado procurando uma mesa 'chipandéle' mesmo.

Mas Thomas Chippendale foi um marceneiro inglês, que se consagrou pelo livro de mobiliário "The Gentleman and cabinet-marker's Director", publicado originalmente em 1754.

O guia tornou-se a cartilha do estilo Chippendale, combinando, com fantasia, fontes de inspiração inglesa (gótica, paladiana), francesa (rocaille), holandesa e chinesa. Se os desenhos do livro eram pobres, o mobiliário fabricado por ele era perfeito em mão-de-obra e em desenho. Por causa de seu senso absoluto de linha e proporções, Thomas ganhou o apelido de "mestre da linha curva".


Um móvel de estilo Chippendale/Chipandele tem, de modo geral, pernas curvas (cabriolet), os pés podem ser em pata de leão, e madeira trabalhada com detalhes esculpidos. Chippendale também realizou peças em estilo oriental (chinoiserie). Veja mais fotos.


Fontes: Tia Viki, Almanac e About.

Comentar

TAMBORETE

Tags: +

Certas palavras me trazem um gosto diferente à boca. Tamborete. Tanta coisa numa palavra. Um tamanho, um barulho. Minha avó usa até hoje o pequeno tamborete de sucupira ripado, pra apoiar a cesta de linhas. O mesmo tamborete em que eu me sentava, aos pés dela, quando aprendi a bordar.

(Sobre móveis e lembranças. Ontem. Já de olhos fechados pra dormir, e a máquina do tempo me levou pra minha cama na fazenda de minha avó paterna. Era pequenina, quase um cocho. Falei disso e marido riu. Eu não. Eu tive saudade. Saudade do cheiro que vinha de manhã, quando eu dormia naquela cama. Um cheiro de café coado, de biscoito de queijo. De requeijão na chapa.)


Eu fiz um tamborete revestido de memória, né? Porque cada retalho daquele tem uma história.

E as meninas também fizeram tamboretes. A Ananda (banco da esquerda) disse o seguinte: "Decidi misturar tinta com tecido. No final das contas gostei da idéia, mas não adorei. Meu defeito de ariana é a pressa que caminha junto com a ansiedade de acabar logo, esses são os meus inimigos internos. Me será um eterno exercício mental fazer as coisas com calma, paciência e carinho. Bom, peguei uma blusa(bata) indiana que nós vendíamos na loja que tínhamos (foi uma das coisas que restou!), mas como não conseguia usar - porque não é a minha cara - cortei há um bom tempo atrás, e com o que restou coloquei no banquinho. Usei cola de madeira e verniz para dar um up. Por enquanto o banquinho está no hall de entrada - sem lugar definido - deixo estar, nessa questão sou paciente, não me apresso com a decoração, só o tempo pra dizer o que tem que ser...né não?"

É Ananda, é. Mas viu o tanto que o trabalho te fez elaborar? Idéias, pensamentos, conclusões?

Já a Patrícia (banco da direita) transformou a idéia em trabalho, e vende banquinhos e outras peças revestidas. "Estou fazendo um trabalho com móveis garimpados em feiras de antiguidades, aplicando colagem, com várias etapas, como um quebra-cabeças. Uso mangás, papéis para origami, e pra dar uma mudada, comecei fazer algumas peças com imagens do Guido Crepax." Tem mais peças da Patrícia no seu blog.

Comentar

ESTÚDIO GLÓRIA

Tags: + +

Esta foto é do Estúdio Glória, uma loja do jeito que eu gosto. Se não pra comprar, pelo menos pra ver. Objetos de decoração, e móveis das décadas de 1920 a 1980 são descobertos em viagens, restaurados, repaginados, e vendidos. A loja funcionará por 60 dias, de sexta a domingo, a partir de hoje. Se quiser dar uma olhada nos preços antes de ir (ou sapear, como eu), ó o blog.

Rua dos Engenheiros, 410 - Granja Viana - São Paulo.

Horários de funcionamento
Sexta: das 11 às 20 horas
Sábado: das 11 às 20 horas
Domingo: das 11 às 17 horas

Comentar

ARQUITETURA DA FELICIDADE

Tags: + + + + + +


"Ao construir uma casa ou decorar um cômodo, as pessoas querem mostrar quem são, lembrar de si próprias e ter sempre em mente como poderiam idealmente ser. O lar, portanto, não é um refúgio apenas físico, mas também psicológico, o guardião da identidade de seus habitantes."

Eu adoro casas que contam histórias. Paredes cheias de referências, como essa. Empolgada depois de ler o livro A arquitetura da felicidade, de Alain de Botton, autor dessa frase, a Laély resolveu fazer uma promoção em seu blog. Lembra o hedonismo solidário, né?

Eu ainda não li, mas pelo jeito acho que vou gostar. (Tem um trecho aqui.)

Comentar

POESIA CONCRETA

Tags: +


Quando eu acho que acabou, que já me abismei o suficiente com as possibilidades do concreto, vem isso. Tá ali, o cimento queimado normalíssimo. Você molha, e o desenho aparece. O invento se chama Solid Poetry, e é holandês, do Studio Frederik Molenschot.

Comentar

Como aplicar papel de parede

Tags: + + +


Visito o d♥ quase todos os dias, me incutiu uma vontade de me mudar que não cabe mais em mim. A gota d'água veio com esse site. Daí eu te pergunto: É impossível aplicar papel de parede? Em caso afirmativo, existem firmas que façam isso ou só as lojas que vendem os mesmo? É loucura mandar vir um papel de parede da Alemanha, mesmo tendo a possibilidade de comprar a amostra? Miriam
♥♥♥
Miriam, é possível sim aplicar o papel de parede. E nem é difícil, embora seja trabalhoso. Nesse post colei alguns vídeos de passo-a-passo, em inglês, mas muito visuais e fáceis de entender.

As lojas que vendem aplicam o papel. E mesmo você não tendo comprado na loja, pode orçar só a aplicação. Mas você pode aplicar também. A única preocupação é comprar a cola especial para papel de parede. 100g de cola custam R$15, e são suficientes para 30m2. Mas existem opções de papel de parede auto-adesivo, que não precisa de cola.

Não, não é loucura mandar vir da Alemanha por 2 motivos: variedade e custo. Isso mesmo, muitas vezes sai mais barato. Os papéis de parede realmente interessantes alcançam preços abusivos no Brasil. Loja online então, até tem, mas são difíceis de navegar e muitas vezes nem têm preço.

Veja os vídeos e acompanhe com o passo-a-passo.



MATERIAL
- 1 prumo ou nível (geralmente tem um embutido na trena)
- Estilete afiado (se estiver cego, pode estragar o papel)
- Pincéis e rolos
- Rolo de borracha (se quiser) alisar o papel
- Bandeja de pintor, para a cola
- Lápis macio
- Fita métrica
- Escada
- Espátula
- Esponja
- Papel de parede – compre sempre em quantidade maior do que for utilizar
- Cola própria para papel de parede, se o seu papel não for auto-adesivo – as colas são encontradas sob a forma de pó, que deve ser diluído em água, conforme instruções do fabricante.

PASSO-A-PASSO
Preparando a superfície ♥ Para receber o novo papel, a parede deve estar seca, limpa, livre de pó, gordura ou sujeira. Retire descascados, preencha buracos, lave e deixe secar.

Preparação da Cola ♥ A cola deve ser preparada 30 minutos antes de ser aplicada. Diluir 25 gramas de cola em pó em um recipiente com 2,5 litro de água fria, mexer até ficar totalmente transparente, ficando pronta para uso. Esta cola é totalmente neutra, podendo ser diluída em um recipiente doméstico.

Jogar a cola (pó) aos poucos e mexer bem. Eu usei um liquidificador e coloquei a cola pra descansar dentro de uma garrafa PET (usei funil). São mais ou menos 25g de cola por rolo de papel. É melhor preparar 2,5l e usar primeiro, e depois preparar a segunda “dose”.

Corte o papel de parede ♥ Com a ajuda da fita métrica, meça toda a superfície e defina o tamanho de tiras de papel que irá cortar. Deixe sempre uma folga de 5cm nas quinas, o que serve para ajudar na hora de dar o acabamento. Ao final, você deverá ter diversas tiras de papel de tamanhos que você definiu, baseado na superfície que quer cobrir. Tome o cuidado de cortar o papel de forma que os desenhos das tiras casem, quando colocadas nas paredes. Faça um sinal nas costas do lado que deve ficar para cima, para que não haja risco de colar o papel invertido, com o desenho pra baixo.

Marque linhas verticais com a ajuda do prumo - A primeira linha deve ser marcada considerando-se a largura do papel menos dois centímetros. (A sobra, depois de colado o papel, será retirada com estilete.)

Passe a cola. ♥ Há colas que devem ser aplicadas tanto no papel quanto na parede (cola de contato). Mas existem colas que devem ser aplicadas apenas nas paredes. A mais comum é a em pó, descrita acima. Leia as instruções do fabricante e as siga.

Começe pelo teto, para que a cola não respingue ou caia nos papéis novos da parede.

Coloque a tira de papel sobre a superfície - Com a ajuda da linha vertical traçada, posicione o papel. Deixe sempre uma sobra de papel para cima do limite do teto com a parede. Passe uma espátula sobre o papel, para alisar e eliminar bolhas de ar. Se ainda existir alguma bolha, fure-a com uma agulha bem fina, para que o ar possa sair sem danificar o papel.

Acabamento ♥ Marque o limite da parede com o teto com a espátula. Corte as sobras com ajuda de uma régua ou esquadro e do estilete.

O papel de parede demora 24 horas para secar. Foto lá em cima, da Living Etc.

Comentar

CURSO DE MARCENARIA

Tags:

Pra quem se animou com o curso de marcenaria (no Rio), mas desanimou porque não tinha turma sábado, taí. A Norma abriu uma nova turma. Clica aqui pra ver os detalhes.

Comentar

AGENDA DO FIM DE SEMANA

Tags:

Pra quem tá no Rio, um evento bacana pra levar as crianças amanhã (sábado) é o Flist. É uma festa literária inspirada na Flip, mas primeira edição, pequenina ainda. Tem contação de histórias, oficina de ilustrações, mesa redonda. Vai lá no site, pra ver melhor a programação.

Também no fim de semana (neste e no próximo) e também no Rio, tem o festival Bota na Mesa, nos restaurantes de Botafogo. Marido fez um prato especial. Essa salada de palmito pupunha (cultivado, que vem da fazenda de amigos) com esses purezinhos de banana e inhame... hummm. Nem te conto, vai lá provar! (Clica na imagem que ela aumenta.)

E em Sampa, já na segunda-feira, Monica Figueiredo, a editora mais bacana do país, expõe seus bordados lindos e cheios de emoção. (Clica na imagem que ela aumenta.) Vai lá ver e dá um beijo nela por mim?

E eu vou pra BH, porque tenho uma reunião de trabalho na segunda, mas como não sou de ferro, e tô morrendo de saudades de Dona Tê - minha best friend forever desde que tínhamos 3 anos e nem falávamos direito - vou amanhã. Algum programa?

Comentar

MAIS UM NÃO MÓVEL

Tags: + +


Como disse sobre as estantes flutuantes, é tão fácil enjoar de um móvel, que um não-móvel é a evolução que eu esperava. Essa estante (as fotos são auto-explicativas, mas se quiser o passo a passo, visite a fonte) é uma solução e tanto pros temperos da cozinha. Nesse exemplo, ela acomoda os chás da casa. Do Design Sponge.

UPDATE. Rodrigo Medeiros, nos comentários, disse: Meu pai adora fazer isso para guardar parafusos e coisas pequenas no quarto da bagunça dele, mas é mais interessante utilizar dois parafusos para a tampa não girar junto com o pote quando for apertar.

Comentar

ESTANTES FLUTUANTES - OUTRO JEITO

Tags: + + +



Tá, eu sei que essas fotos não são muito bonitas, mas a idéia desse blog é boa.

Quem tá por aqui há mais tempo, lembra das estantes flutuantes e do vídeo engraçado sobre como fazer a sua. No domingo passado fui tomar um café na casa nova da Ju e do Márcio, e elas tavam bem lá, flutuando na parede da sala deles.

Então esse é mais um jeito. Sem segredos, só prender as peças na parede, e colocar os livros em cima.

Comentar

CÍRCULOS NA PAREDE

Tags: + +

Procurando alguma coisa bacana para preencher a parede? Que tal círculos coloridos? Bem, os da foto custam 42 dólares o pacote com 8, na gringa Design Public. Mas bastidores pintados teriam e-xa-ta-men-te o mesmo efeito.

Outros usos de bastidores em paredes, veja aqui. Círculos de gesso na parede, veja aqui. Outras idéias pra paredes, veja aqui.

Comentar

BRAZIL

Tags:

E o MoMA agora vende o Brasil. Algumas peças clássicas e até o bom e velho copo de boteco, ou copo americano. Veja só. Bacana, bacana. Só não precisava dizer que esse banco aí de cima foi inspirado nos bancos do interior do Brasil. Hein? Ah, tá, Brazil, Indiana. Só se for.

(E nem que isso aqui é de chita.)

Comentar

DO LIXO AO LUXO

Tags: + + + + +

Eu e Angela saímos de casa para tomar uma cerveja no bar da esquina, e vimos esse banquinho no lixo. É isso mesmo: no lixo. Voltei e pedi pro porteiro guardar pra mim. Faz um tempo isso, e eu tava meio com dúvida, meio com nojo. Até que resolvi trabalhar no banquinho. Lavei com escova e sabão e deixei secando uns dias. Esqueci dele outros dias. E o marido perguntou: não vai fazer nada com esse banco não? Vai deixar aí, atravancando a área de serviço? E resolvi deixar a preguiça de lado e fazer alguma coisa. Voilà:

Olha, sou péssima de passo-a-passo. Sei fazer isso não. Então vou só descrever o que fiz.

Não lixei o banco, só raspei com uma espátula pra tirar a tinta que poderia soltar. Medi o diâmetro das pernas e cortei retalhos neste diâmetro e costurei à máquina. Usei cola branca e pincel largo para passar a cola. Colei de maneira que a emenda ficou nas arestas internas do banco.

Na quina entre as pernas e o tampo, eu empurrei o tecido com um abridor de cartas, pra ficar bem rente. Algumas vezes até empurrando o tecido pra o espaço entre madeiras, para inclusive ajudar a firmar o banquinho.

Depois das pernas fiz as réguas. Depois das réguas, o assento. Depois de seco, passei mais uma demão de cola, mas dessa vez diluída em água (proporção 1 de cola para 2 de água), e deixei secar novamente. Essa camada de cola é pra proteger o banco de poeira e sujeira.

E ficou pronto o meu banquinho de patchwork. Ah! A idéia eu vi na Squint, que já apareceu por aqui antes.

P.S.: A luz tá meio estranha nesses dias mais escuros. Peço desculpas pelas fotos mais-ou-menos.

Comentar

ACHADO

Tags: + +

A cadeira Bertoia revestida está por R$290,00 (frete gratis). No bazar da Modernidade Móveis, que vende pela internet e tem muitos outros móveis de design interessante.
Bem, 'se eu pudesse e o meu dinheiro desse', levava pra casa essa cadeira. A clássica poltrona Eames. E olha que nunca a vi por esse preço! R$1.600,00. Tô sofrendo...

(Na Tok Stok ela está por R$4.547,00, mas com couro natural.)

Comentar

TAPETE BACANOSO

Tags: + + +


Este tapete bacanoso foi feito usando 16 tapetes de banheiro ovais, cortados ao meio. Bem, eu até procurei pela internet tapetes assim, pra dar o serviço completo, mas não achei não. De todo modo, achei tão bonito que quis registrar.

Fonte: New York Magazine, via AT.

Comentar

ELISA NALIN, POR SELBY

Tags:




Ah, Selby, desse jeito você me mata. E transforma isso aqui num blog sobre Selby e uma coisa ou outra.

Veja outros posts sobre Selby publicados no De(coeur)ação.

Comentar

O PORTA-CHAVES DA ROSANGELA

Tags: +

Faz tempo que ví um porta-chaves no seu blog e fiquei encatanda, gostaria de aprender como você fez para cortar as flores na latinha de refrigerante. Pesquisei pelo Google e nada. Valéria Martins

***
Então, a Rosangela que fez o porta-chaves disse o seguinte:

Pra fazer é muito simples; usei tesoura comum (use uma velhinha, porque o fio da tesoura vai embora com certeza!), lápis para traçar os desenhos e cola-quente para uni-los. O alumínio corta super fácil, mas todo cuidado é pouco para não se cortar, usei luvas para não correr o risco, além de tomar cuidado de, no desenho das flores, não deixar cantos pontudos. Para dar o acabamento, usei uma lixinha de unha de metal, para tirar qualquer possibilidade de ser perigoso. Para colar, usei flores maiores como base do fundo e as menores fui sobrepondo pra dar a sensação de volume. Eu optei por usar só a parte interna (o alumínio de dentro), mas dá pra mesclar usando a parte externa das latinhas, assim fica colorido e charmoso também. Como a composição que eu fiz foi pequena, não precisei de muito apoio, mas pra áreas mais extensas (como o cabide pra bolsas que a Viviane citou) acho que será necessário uma base (de madeira, papel paraná, chapa galvanizada...) pra colar as florzinhas, porque apenas sobrepor não vai sustentar; o alumínio da latinha é muito molengo e vai pender. Acho que é isso!
***

Então, todo mundo já sabe: quando o Google falha, é só perguntar!

Comentar

A CASA DA ANA

Tags: + + +


O Superziper já mostrou. Mas a casa da Ana Matusita vale bis. As idéias são ótimas. Um mural de cortiça? Que seja de rolhas. Reuse, reduce, recycle do jeito mais bacana. As luzinhas de Natal ganham roupa de festa, e com fantasia de flor ficam o ano inteiro.

Fiquei um tempão vendo o Flickr da Ana. E a loja então? Dá vontade de comprar tudo!

Comentar

FESTA DO FELTRO

Tags: + + + +

Acho que eu preciso falar mais umas coisas sobre as bonequinhas da Purl Bee. É que elas são feitas à mão. Total e completamente. Então se você não tem máquina de costura, não tem problema. E elas viciam.

Comecei fazendo uma (essa aí de cima). Mas juro que tava com preguiça. Resultado: já fiz duas e marido se empolgou com o feltro ali à mão e já fez um toy. E tá fazendo o segundo.

Só parei porque a Angela veio aqui me perguntar: "Não vai postar mais não?" E me dei conta que não interneto há diiiias. Nem um tico.

(Eu sei, eu sei, você me escreveu um email e ainda não te respondi. Chego lá, chego lá.)

Comentar

CURSO DE MARCENARIA

Tags: +

Então a Gisele me escreveu um email perguntando se eu sabia folhear móveis. E eu lembrei de um curso que o Maurício Wassita fez. Então vi que tinha uma turma nova e liguei pra Norma. E é isso, tô estudando marcenaria. Numa casa linda, de uma vilinha fantástica incrustada no Catete.

A Norma tem um blog. E abaixo, os cursos próximos:




Pra quem mora em Niterói, tem esse curso.

Comentar